Cem mil (100.000) trabalhadores dos correios podem entrar em greve durante o mês de Agosto, é o que anunciou o sindicato da categoria nessa quarta (29/07), pelo fato das negociações entre a presidência da estatal e a categoria, não serem bem recebidas pelos sindicatos.

A direção da estatal afirma que a categoria possui demasiados benefícios e que estes estão “fora da realidade”. Os sindicatos encabeçados majoritariamente por pessoas de esquerda claramente não concordam com a afirmação.

Entre os benefícios que podem ser cortados, podem se encontrar:

“Vale Peru” (um vale alimentação de R$ 1 mil oferecido em Dezembro),

“Vale Cultura”,

Adicional de 70% de férias,

180 dias de licença-maternidade

Distribuição obrigatória de acessórios como joelheiras e meias de compreensão

Caso sejam cortados os benefícios, o governo gerará uma economia anual na casa dos R$ 600 milhões. Os sindicatos também não estão de acordo com a decisão do ministério da economia de privatizar a instituição até o ano de 2021.

De acordo com o Tribunal de Contas da União (TCU) a empresa estatal do Correios apresenta sucessivos prejuízos anuais ainda que, de acordo com o próprio TCU, desde de 2015 até esse ano de 2020 a empresa tenha apresentado uma retomada satisfatória na prestação do serviço.

Cabe a população as seguintes reflexões:

Cabem aos funcionários de uma empresa, que acaba de reapresentar resultados dentro da média esperada por seus clientes, benefícios extraordinários?

Qual a razão meritória que leva cem mil funcionários a receber benefícios como o “Vale peru”?

Não seria mais justo, em tempo de epidemia, onde se fala tanto em recessão econômica nacional, os sindicatos esperarem em vez de exigir o mantimento de benefícios?

Podemos perceber que o Sindicato dos Correios de São Paulo (SINTECT-SP), cujo símbolo é um homem bravo levantando uma bandeira com a escrita “União e Luta” e não uma mensagem de “serviço e entrega” e a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafo Similares (FENTECT), estão completamente desalinhados com a realidade. São na verdade mais dos tantos sindicatos tomados por pessoas de esquerda da mentalidade revolucionária. Não enxergam as relações comerciais como relação pessoal de Serviço, produto e entrega, enxergam na verdade na dimensão de “Luta de Classes”. É o velho marxismo ainda fixado no imaginário popular.

O Sindicato do Correios de São Paulo leva à frente a tese do mantimento dos privilégios. É possível ver na página do Instagram do (SINTECT-SP) postagens de palestras feita juntamente com membros do Partido Comunista, posts de apoio a candidatos como Ciro Gomes e outros, duras críticas ao governo etc… É importante ressaltar que muitas páginas de sindicatos dos correios de outros estados copiam as mesmas postagens. Uma rápida olhada pode assegurar a informação.

Já na página da FENTECT é possível ver reportagens com críticas ao governo do presidente Bolsonaro.

Ao chegarmos aqui ó nos resta mais uma reflexão: é de fato interesse dos sindicatos dos Correios o bem geral da nação ou somente fazer oposição política dentro de uma empresa estatal?

Fontes:

https://www.tudocelular.com/mercado/noticias/n160769/correios-tem-plano-contingencia-para-greve.html

blogs.correiobraziliense.com.br/servidor/auditoria-do-tcu-diz-que-ha-melhorias-em-qualidade-dos-servicos-dos-correios/

http://fentect.org.br/

https://instagram.com/sintectsp?igshid=8uil3ndsuuo0

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui